A ASSOCIAÇÃO DOS POLICIAIS PENAIS DA PARAÍBA TOMARÁ PROVIDÊNCIAS CÍVEIS E PENAIS EM DESFAVOR DO POLICIAL MILITAR SARGENTO ARAÚJO DE RIACHÃO DO BACAMARTE-PB

abr 14, 2020

Sexta-feira, dia 10 de abril de 2020, na cidade de Riachão do Bacamarte-PB, o nosso associado Leonardo Cruz, encontrava-se sentado, junto a outras pessoas, em frente a casa de um amigo quando inesperadamente foi surpreendido por uma guarnição da polícia militar local com atitudes desrespeitosas, que logo após, ficou claro que o propósito era usar do aparato policial para praticar uma espécie de vingança privada, com o fim de humilhar.

A guarnição comandada de forma irresponsável e criminosa pelo Sargento Araújo, constrangeu o policial penal Leonardo Cruz, o expondo ao ridículo na presença dos seus amigos. Fato que ficou demonstrado mais adiante nas redes sociais e nos blogs locais, quando criminosamente, os policiais fizeram circular a foto da pistola que foi devidamente/legalmente acautelada pela Secretaria da Administração Penitenciária da Paraíba ao agente público. Leonardo apresentou a funcional comprovando o porte e o documento de cautela da arma, ou seja, a condução foi feita de má fé com o propósito de denegrir a imagem do associado perante a sociedade, amigos e família.

Como se não bastasse, observa-se a todo o momento a tentativa maldosa/delituosa de tentar imputar outros delitos ao policial penal, como: embriaguez ao volante mesmo estando parado e sentado, desobediência/resistência quando a condução a delegacia foi feita sem o uso  de algemas e o de disparo em via pública tendo o próprio Leonardo solicitado a perícia na arma e em suas mãos.  Evidentemente, todas as supostas acusações não se sustentam e a prisão fantasiosa, fruto de uma mente doentia, perversa, maldosa e indigna para uma instituição tão digna e importante como a briosa Polícia Militar do Estado da Paraíba, resultou, tão somente, num TCO (Termo Circunstanciado de Ocorrência).

A Associação dos Policiais Penais do Estado da Paraíba tomará todas as medidas cabíveis, cíveis e penais, na defesa dos direitos e prerrogativas funcionais dos seus associados, inclusive, nos próximos dias estará provocando o Ministério Público do Estado da Paraíba sobre os crimes de ação pública incondicionada, cometidos por Sargento Araújo e sua guarnição, comunicaremos também a corregedoria de Polícia Militar para providências, assim como, solicitaremos o imediato afastamento das ruas da referida guarnição. De forma alguma admitiremos o desrespeito, a truculência e a vingança privada contra os nossos policiais penais, ninguém espera que agentes da lei possam inadvertidamente praticar possivelmente o crime de denunciação caluniosa (Art. 339 CP) e/ou o crime previsto no Artigo 30 da Lei de Abuso de Autoridade.

 

Wagner Falcão

Presidente da ASPPEN-PB